Boa gestão da água ajuda a manter produtividade na pecuária leiteira

Por Redação em 19/05/2024 às 08:10:36

No agronegócio, a estiagem prolongada é quase sempre um problema. No caso da pecuária, o pasto perde qualidade, os custos sobem e o manejo do rebanho fica mais difícil. Por isso, ter uma boa gestão da água faz uma grande diferença nessas épocas.

Uma fazenda de Potirendaba (SP) é voltada para a produção de leite. São 3,5 mil litros por dia. Pensando em garantir uma boa produtividade, a higienização é feita de forma correta, o manejo é eficiente, e a dieta é boa. Mas tudo isso depende da oferta de água.

Cerca de 7,7 mil litros são usados por dia para matar a sede das 110 vacas em lactação. Animais calmos produzem mais, e é por isso que o gado também recebe jatos de água a cada quatro minutos, pois é uma espécie de "remédio contra o estresse".

O consumo de água na propriedade é grande, mas a falta de chuva tem sido um problema. Além dos poços artesianos, dois reservatórios foram construídos para garantir o abastecimento, e a água do banho dos animais ainda é reaproveitada.

Desde 2019, quando foi construído o barracão com divisão das áreas de alimentação e descanso, a pecuarista responsável pelo local instalou um reservatório que armazena água da chuva. Ela vem pelo telhado, e a capacidade é para 30 mil litros de água - quantidade que já não tem sido suficiente para atender a toda a demanda da fazenda.

A solução, então, foi construir um terceiro reservatório, com capacidade para 250 mil litros, e que deve entrar em operação em breve. Outro reflexo da falta de chuva é o aumento do custo de insumos para a alimentação dos animais. A saída é produzir milho e feno, e o estoque é suficiente para sustentar a criação durante o ano todo.

Muitos pecuaristas estão seguindo este caminho e construindo reservatórios para reaproveitar água. O dono de uma propriedade no município de Mendonça (SP) fez um "piscinão" com capacidade para quatro milhões de litros de água da chuva. Atualmente, por causa da estiagem, ele trabalha com 20% da capacidade.

O reservatório e dois poços artesianos garantem água para a limpeza e para o sistema de refrigeração do ambiente onde ficam os animais. Este é um modelo americano que garante o bem estar de 250 vacas em lactação. Os galpões são mantidos durante 24 horas em temperaturas que variam entre 21°C e 22°C, com índices de umidade entre 40% e 60%.

Todo o processo de produção de leite depende de água. No local onde as vacas se alimentam, além do sistema de refrigeração, existem seis bebedouros com sistema automático, para manter a água sempre limpa. Porém, a água suja não é desperdiçada, e vai para um sistema de reaproveitamento.

Para manter o equilíbrio no consumo de água na propriedade, o pecuarista também instalou 100 coletores nos telhados dos galpões, o que é mais uma forma de armazenar a água da chuva para compensar os períodos de seca.

Fonte: G1

Comunicar erro

Comentários

Acomp Gyn - Goiania